acoes fii

Ações ou Fundos Imobiliários, qual rende mais?

Todo investidor busca o melhor ativo para investir seu dinheiro, aquele capaz de gerar alta rentabilidade, fazendo o esforço e o trabalho de cuidar das finanças valer a pena. E é aí que surge a dúvida: melhor comprar Ações ou Fundos Imobiliários?

Essa é uma grande dúvida que acompanha os investidores. Enfim, qual seria o mais adequado no seu caso?

Primeiro é preciso entender cada um deles e avaliar os prós e contras que tornam os dois tipos de investimento atrativos ou não. Se você já tem alguma experiência no mercado e carrega essa dúvida, acompanhe as informações a seguir e entenda qual deles é capaz de gerar o retorno que você merece.

Diferenças entre FII e Ações

Ambos são ativos de renda variável negociados na Bolsa de Valores. Os fundos imobiliários ou FIIs são investimento lastreados em imóveis (em geral) e as Ações são “cotas” (pequenas partes) de empresas. Por isso mesmo, comportam-se de modo distinto conforme o ambiente econômico.

Enquanto o mercado de imóveis pode estar estagnado, o mercado de ações pode estar acelerado e vice-versa. Mas os índices que acompanham os fundos de investimento em imóveis (IFIX) e as Ações (IBOV) não são opostos.

Alguns especialistas acreditam que há uma relação entre os dois setores e que é possível perceber e acompanhar as oscilações de ambos.

De forma geral, percebe-se que o mercado de Ações é mais volátil (podendo gerar mais lucros ou mais perdas), enquanto o mercado dos Fundos Imobiliário é teoricamente mais estável.

Tipos de fundos imobiliários

Os fundos imobiliários podem ser classificados de três formas diferentes:

Fundos de tijolo: cujos tipos de empreendimento são lajes corporativas, shoppings, hospitais e ativos logísticos;

Fundos de papel: cujo patrimônio é composto por aplicações financeiras do mercado imobiliário, funcionando como uma espécie de “renda fixa”;

Fundos híbridos: que representam uma carteira mista entre empreendimentos imobiliários, títulos e até cotas de outros fundos.

Já as ações se dividem de duas formas:

Ações ordinárias (ON): dão direito a participar do conselho da empresa (é claro que nem todo valor investido alcança essa possibilidade) e a participação não preferencial nos resultados da empresa.

Ações preferenciais (PN): são aquelas que detém a preferência na hora da empresa distribuir os dividendos (lucros), mas não concedem o direito de voto nas assembleias. Essas ações também são divididas por classes A, B, C e D, o que geram as famigeradas siglas PNA, PNB. PNC.

A variação dos dois tipos depende de cada empresa. Há empresas em que as ações preferenciais que pagam os melhores dividendos, mas em que não valem o risco da falta de Tag Along. A vantagem da ON ou da PN deve ser analisada conforme as vantagens conferidas, em cada caso, às PN.

Vantagens e desvantagens dos Fundos imobiliários

 

Vantagens Desvantagens
1 – Pagamento mensal de dividendos 1 – Taxa de corretagem (algumas corretoras dão isenção)
2 – Poder de valorização da cota 2 – ISS sobre a taxa de corretagem
3 – Dividendos isentos de IR 3 – Cobrança de IR sobre o lucro ao vender as cotas (20%)
4 – Baixa vacância em relação ao imóvel físico 4 – Valor das cotas e rentabilidade podem apresentar variações bruscas em determinados momentos econômicos
5 – Pode-se começar a investir a partir de R$ 100 5 – Baixa liquidez para grandes somas de investimentos
6 – Não precisa se preocupar com administração
7 – Taxas cobradas nos FIIs menores que as cobradas na comercialização direta de imóveis.

Vantagens e desvantagens das Ações

Vantagens Desvantagens
1 – Pagamento de dividendos em alguns tipos (em períodos programados) 1 – Alto risco e oscilações constantes
2 – Poder de valorização da ação 2 – O mercado de ações é complexo para iniciantes
3 – Dividendos isentos de IR até 20 mil por mês 3 – Necessário conhecimento técnico ou ajuda para poder investir
4 – Possibilidade de investir em uma empresa em que se acredita 4 – Se o objetivo é lucrar rapidamente, há que se ter acompanhamento constante
5 – Não há valor mínimo para investir 5 – Se o valor investido for muito baixo não compensa os valores das taxas
6 – Isenção da taxa de corretagem em algumas corretoras
7 – Possibilidade de altos rendimentos

Como ambos os ativos se dividem no mercado financeiro em “infinitas” possibilidades, ou seja, há ações de inúmeras empresas e vários tipos de fundos imobiliários disponíveis, é praticamente impossível comparar rentabilidade entre os dois tipos de investimento se não houver a especificação do tipo de fundo imobiliário e do tipo de ação escolhida.

De forma geral, os fundos imobiliários atendem ao perfil mais conservador de investidor, ou aquele que está em busca de diversificar a carteira com ativos do mercado financeiro. O crescimento dos investimentos neste ativo foi de 70% no último ano e as perspectivas são positivas para 2019 como mostra este artigo do Estadão.

O mercado de ações, por sua vez, demonstra-se aquecido depois das eleições e com a expectativa das principais reformas políticas em pauta (Previdência, Fiscal), mas como tudo no mercado financeiro pode mudar de uma hora para a outra, quem busca esse tipo de investimento precisa ter atenção e cuidado. Veja este artigo.

O ideal é que se exponha apenas uma parte do seu capital (em torno de 20%) no mercado de renda variável, já descontando sua reserva financeira. Ou seja, se você ainda não tem uma reserva, melhor se estruturar primeiro, antes de tentar ganhar dinheiro fácil com ações.

Para escolher entre um fundos imobiliários e ações, você deve especificar em que tipo de fundo ou ação gostaria de investir, levar em conta as características de cada um e avalia-las dentro do seu perfil de investidor.

Se estiver em dúvida sobre determinada ação ou determinado fundo, avalie considerando os seguintes critérios: segurança, rentabilidade e liquidez. E, claro, seu conhecimento e as informações que detém sobre esses ativos.

O vencedor, o melhor investimento

Para finalizar, vamos ser francos, o melhor investimento é aquele que condiz com a sua realidade financeira e com seus objetivos, propiciando a você mais rendimento, ou seja, está de acordo com o seu perfil de investidor, como falamos anteriormente.

Se você perguntar aos milionários que fizeram fortuna investindo em ações qual o melhor investimento, o que acha que diriam? Sim, investir em ações. Aqui, você pode ver uma lista dos nomes mais importantes.

O mesmo não acontece com pequenos investidores que começaram a construir reserva financeira com a ajuda de renda fixa, por exemplo.

Muitas vezes, investimentos com altíssima rentabilidade exigem também altos aportes ou detêm baixa liquidez. Se o seu perfil não é de um investidor que possa abrir mão do capital por um longo período ou investir de cara uma alta soma, este tipo de investimento não é o melhor para você.

É preciso entender sua realidade e avaliar os tipos de ativos que condizem com seu propósito e perfil financeiro. As corretoras de investimentos, seguindo a norma da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), faz essa avaliação logo que você abre uma conta, antes de começar a investir.

A partir daí você pode traçar metas e buscar ativos mais apropriados e lucrativos, considerando o capital que tenha para investir (quanto maior for seu capital, maior será seu lucro, é claro!).

Em resumo, o que é melhor para você, não é o melhor para outro investidor. O que atende a alguém que está há anos no mercado, não atende quem está apenas começando.

Então, seja crítico e esperto antes de sair por aí investindo em qualquer ativo, ou seguindo a maioria. Quando receber ofertas e e-mails dizendo “o melhor investimento de todos os tempos”, não deixe de se perguntar “para quem?” Com certeza, alguém se beneficiará com ele.

O Eduardinho tem um vídeo bastante interessante, principalmente para aqueles que estão começando a investir, que explica um pouco o perfil de cada um e relaciona com o investimento mais apropriado, dentro do incrível jogo do dinheiro. Assista.

Tenha sempre em mente que construir fortuna dá trabalho, envolve conhecimento e risco e não é algo mágico que se faz da noite para o dia! E se você já está no caminho e quer saber mais sobre fundos imobiliários e ações, não deixe de ver este vídeo que faz parte deste artigo (no alto da página).

author-photo
Elis é jornalista aficionada por finanças pessoais. Segue firme na trilha para a liberdade financeira.