ganhar-dinheiro-online

Como Ganhar Dinheiro Online: 5 Lições que tirei ao criar um ativo de 83 mil em um mês

Vou te fazer uma pergunta direta e espero que pense um tempo antes de responder, porque ela é importante. No meio do artigo você verá o porquê:

O que você quer é uma forma de ganhar dinheiro online ou você quer é presença online, para alavancar sua renda fora da internet como especialista em sua área ou simplesmente expressar a sua opinião sobre um tema, já que acha insuficiente o que os outros têm dito por aí?

A resposta dessa pergunta é fundamental para você traçar um plano de ação que seja eficaz ao seu propósito (criar um blog é mais adequado para gerar renda ou presença, por exemplo?)

Em quase 5 anos gerando renda extra online, eu testei várias estratégias para ver o que realmente funciona e acabei tirando algumas lições que podem servir a você que está começando nesse instante, ou que ainda não teve um resultado expressivo.

Atenção: Esse artigo apresenta apenas 1 das várias estratégias que conheço para gerar renda. Você pode ver várias outras em nosso artigo sobre ideias para ganhar dinheiro e também pode acessar nosso fórum gratuito de debates para saber o que as outras pessoas estão fazendo e quanto esse ativo de 80 mil está eventualmente me rendendo exatamente no momento em que lê esse artigo.

Então escrevi esse artigo na seguinte sequência:

  1. Qual o ativo de 83 mil reais que criei em 1 mês
  2. Quais as 5 lições sobre ganhar dinheiro online que tirei
  3. E agora, o que fazer?

Qual o ativo de 83 mil reais que criei em 1 mês

Em meados de 2016, um pouco exausto da obrigação semanal que os blogs acabam trazendo para seus autores (renda ativa, muito ativa), resolvi fazer um experimento de renda passiva online.

Eu queria saber se realmente era possível dar à luz esse tipo de coisa. Então criei e executei um exercício. Confesso que testei por testar, confesso que dessa estratégia eu não esperava nada, mas tive uma bela surpresa.

Que fique claro, não foi pelo volume de dinheiro produzido (por enquanto nenhum), mas pela relação trabalho empregado versus resultado. Como você verá adiante, estou falando de alguns micro-sites funcionais que criei. Gastei na faixa de 1 semana para cada um. No total, foram 3 sites em um mês e nunca imaginei que chegariam ao ponto que chegaram.

Veja como foi:

  1. Durante uma semana prévia, escolhi e adquiri uns 10 domínios. Foi um processo de pesquisa, bem light, em que todo dia eu tinha algumas ideias e dava uma pesquisada lá no Registro BR e na Godaddy (barata para comprar, caríssima para renovar, agora uso a hello.co) para ver se algo interessante estava disponível. Para quem não conhece, o domínio está para a internet como o terreno está para os imóveis (por exemplo,”carteirarica.com.br” é um domínio nosso, é nosso endereço virtual). Domínios você adquire a partir de R$ 40,00 por ano.
  2. Desses domínios (alguns muito bons mas que ainda não utilizei por falta de tempo), escolhi 3 para criar micro-sites (sites de apenas 1 página… afinal, filhos para tratar eu já tenho o Miguel e o Carteira Rica) e fiz uma otimização SEO para cada um. O processo inteiro levou uma semana para cada site.
  3. Entreguei para Deus (no caso da internet, “Deus” é o “Google”) e fui cuidar da minha vida.
jesus navegando
“Deus Google”

“Eduardinho, mas não sei criar um site, muito menos programar! Não tem uma opção para ganhar dinheiro na internet respondendo pesquisas ou testando produtos?” Calma, abaixo eu explico o que fazer no seu caso, mas é simples.
Bem resumido, basta entrar no Workana, onde tem desenvolvedores web por R$ 30 a hora. Então esses 3 sites que fiz sairiam de R$ 500 a R$ 800 cada um.

“Ah, mas eu quero grátis!” Uai, que tal também um cafezinho e um bolinho de chocolate para esperar sentado?

Bom, voltando ao assunto, o resultado, até o momento, foi esse daqui:

como ganhar dinheiro online

Então, após quase 2 anos eu concluo que o resultado daquele 1 mês de trabalho (nas horas vagas), embora não tenha sido imediato, representa, hoje, algo estimado na faixa de 83 mil reais. Mas por que esse valor?

Com exceção do 2º site, para o qual o Semrush erra feio a estimativa (não é culpa dele, abaixo explico porque isso seria impossível de adivinhar), os dois outros sites possuem um volume relevante de tráfego. O Semrush estima o valor do primeiro site em 4.300 dólares (14 mil reais) e o último em 21.100 dólares (68,6 mil reais).

Mas quais são os dados concretos (no momento em que escrevo o artigo)?

  • Site 1: 119 mil visitas mensais (a estimativa mais próxima!)
  • Site 2: 8 mil visitas mensais (errou para cima por muito!)
  • Site 3: 120 mil visitas mensais (errou um bocado para baixo)

Ocorre que nenhum dos sites está rentabilizado até o momento, então isso significa que não faturei um real (ainda) com nenhum deles, mas todos têm potencial tanto de geração de renda passiva, quanto possuem valor de venda. Já recebi email de interessado em comprar o Site #1, mas agradeci a proposta (foi esse email, inclusive, que me fez procurar saber sobre os sites, pois desde criados eu nem mais os acompanhava).

De onde tirei o valor de 82 mil reais? Somando o valor estimado pelo Semrush (a estimativa de preço do site é em dólares) para o Site #1 e para o Site #3.

Mas essas estimativas são plausíveis? Pela experiência que já tive com Google Adsense no passado, acredito que os três sites em conjunto, com cerca de 250 mil visitas mensais, poderiam gerar (no mínimo) de 2,5 a 3 mil reais mensais completamente passivos, ou seja, de 30 a 36 mil reais/ano com trabalho zero.

A partir desses dados, eu creio que talvez alguém pagaria 80 mil por um ativo desses. Ou, se não pagassem, valeria a pena deixá-los rodando por conta própria.

Então ainda não tenho certeza, mas acho que eles talvez valham os 80 mil juntos. Aliás, decidi não ficar no achômetro e tirar a prova. Resolvi que é hora de colocá-los para gerar renda mensal, ver como estão performando e ter a noção exata de quanto valeu aquele mês de trabalho (nas horas vagas das horas vagas).

Se você quer acompanhar e saber quanto exatamente esses sites estão gerando hoje de renda passiva, vá para o terceiro tópico desse artigo: E agora, o que fazer?

As 5 lições que tirei sobre ganhar dinheiro online

1. Nem todo tráfego representa uma fonte de dinheiro online

Existe tráfego e tráfego. Internet não é eleição em que seu voto vale exatamente o mesmo que o do “figura” desinformado.

Então existem palavras-chave e públicos pelos quais o Google cobra R$ 3,00 o clique (e te passa um percentual) e aqueles pelas quais o Google cobra R$ 0,50. Enfim, o mesmo ocorre com vídeos no Youtube, tem canal fútil com 300 mil inscritos que não gera a renda que alguns com 50 mil.

No exemplo acima, você vê isso em prática quando o Semrush estimou o site #1 em 14 mil reais e o site #3 em 68 mil reais ao mesmo tempo em que estimou um tráfego maior para o site #1 do que para o site #3. A diferença ocorre porque tem muitos anunciantes para a palavra-chave do site #3. Anunciantes que concorrem entre si e pagam bem.

Esse fato não é válido apenas se você busca ganhar dinheiro online com Google Adsense, mas com qualquer outro método. Faça-se a pergunta: o público-alvo deste projeto é um público preparado para conversão? (Parênteses: Conversão é clicar em um anúncio ou adquirir um produto).

Exemplos de buscas de público prontos para conversão: “escola de inglês belo horizonte”, “hotel fortaleza”

Exemplos da outra ponta, de um público desinteressado, de difícil conversão: “revolução francesa”, “como fazer uma pipa”

paciência para ganhar dinheiro

2. Como em tudo: persistência é rei, paciência é rainha

Tem hora que os millennials (ou Gerações Y e Z) beiram o insuportável. O sujeito entra no Google e busca “como ganhar dinheiro na internet rápido“. Ou seja, o cara não entende que precisa iniciar um processo de adquirir conhecimento, praticar, errar, aprender com a experiência, persistir, desenvolver auto-conhecimento para conhecer seus pontos fortes e fracos, aumentar sua taxa de acerto e, por fim, ter sucesso.

Então essa é a típica pessoa que erra por afobação tentando ganhar dinheiro online: ele vira afiliado e sai colando seus links em comentários nos blogs dos outros (desperdiçando o próprio tempo). Ele inicia um blog, começa a passar conteúdo e rapidamente acaba se cansando do trabalho “sem retorno” e resolve colocar links afiliados por toda parte no blog, espantando futuros potenciais leitores.

Ao contrário dessa afobação, as estratégias mais bem sucedidas de startups atualmente focam justamente em criar um produto muitas vezes gratuito e somente após um ou dois anos, quando já possuem um público consolidado (e dependente do produto que criaram), elas restringem o uso de algumas funcionalidades a usuários premium. Ou seja, um processo que leva tempo.

No caso que citei, assumo que não houve persistência, pois criei e não tomei mais nenhuma atitude. Mas é fundamental aquela mesma paciência que se tem quando se planta uma árvore ou se adquire uma ação na Bolsa de valores. Cada um dos 3 sites gerou tráfego expressivo somente após 2 anos de existência (embora o 3º site tenha alcançado um bom volume de visitas mensais após 6 meses de criação 18 mil visitas/mensais, ele gastou quase 2 anos para decolar. Os outros dois sites gastaram: o segundo 1 ano e o primeiro 1,5 ano).

É claro que se fossem sites ativos, com artigos diários ou semanais eles teriam resultado muito mais rápido (o Google ranqueia mais rapidamente os sites muito atualizados). Mas o convido novamente a pensar a relação custo/benefício.

Quantos sites ou blogs com 1 artigo por dia útil (250 por ano) alcançam 25 milhões de visitas mensais após 1 ano? Zero. Então, o valor individual de cada artigo extra produzido é muito baixo (ou o ganho marginal por artigo).

3. Para algumas pesquisas, o segundo colocado não existe

Outra conclusão específica sobre buscas no Google: em alguns casos, o segundo colocado não existe.

O que quero dizer com isso?

Veja o site #2. Ele tem um tráfego estimado pelo Semrush de 65 mil visitas mensais (a estimativa é feita com base nas posições que o site ocupa para as principais palavras-chave), ao passo que na realidade tem apenas 8 mil visitas. De onde vem uma diferença tão grande? Explico.

Imagine as seguintes pesquisas: “capital do tocantins”, “horas em nova iorque”, “dólar”, etc.

Para essas palavras-chave, tanto faz você ser o 2º lugar ou 50º na busca, ninguém vai acessar o seu site, pois a informação é muito direta. Por outro lado, se a pessoa quer “receitas de macarrão” ou “sofás modernos”, ela provavelmente abrirá todos os 10 resultados da página de busca.

4. Reflexão: quanto trabalho você está colocando em seus projetos

Hoje em dia é muito grande o número de pessoas que buscam ganhar dinheiro na internet. E eu acho que essas pessoas estão plenamente certas.

As duas principais perspectivas são:

  • Trocar um emprego maçante por uma atividade mais prazerosa, principalmente se essa lhe der liberdade geográfica (para viajar por outros países) ou liberdade de expressão (o blog/vlog é seu, você fala o que quiser. Tem algo melhor que isso?)
  • Ou simplesmente gera uma complementação de renda para poder gastar (não indico) ou poupar e alcançar mais rapidamente seus objetivos financeiros.

São objetivos muito louváveis, mas, na prática, o que se vê é um monte de pessoas “dando murro em ponta de faca”, usando estratégias equivocadas, caindo em golpes de dinheiro fácil e que acabam gastando muito tempo e dinheiro sem produzir efetivamente nada.

Ou algumas até produzem, mas com uma remuneração por hora trabalhada igual ou pior do que a que alcançaria em um emprego convencional.

meme mcdonalds

No meu caso particular, já percebi que minha vida só tem espaço para um blog, o Carteira Rica, e frequentemente imagino estratégias para deixá-lo mais automático para demandar menos a minha presença “girando a manivela”.

Atualmente eu tenho focado mais no desenvolvimento de apps disruptivos, que têm potencial de escalabilidade (“adoro” essas palavras com xbilidade) muito maior que blogs e sites. Mas acho muito interessantes TODAS as estratégias de rentabilização, como:

  • Trabalho de afiliado com tráfego orgânico (grátis) ou pago (tenho muito interesse em aprender sobre tráfego pago, pois meu conhecimento sobre isso é zero)
  • A criação de micro-sites funcionais que testei pareceu muito promissora na relação custo/benefício
  • Produção de infoprodutos
  • Venda de lifestyle
  • Oferecimento de experiências/vivências (eu acho que infoprodutos migrarão para isso aqui, mas essa é história para outro artigo).

Para você que está começando, minha dica seria focar não somente no que fazer, mas no como fazer. Pense desde o início em técnicas para tornar o trabalho mais automatizado e o menos centralizado em você possível, para que o seu crescimento não se torne uma futura “carga de burro em seu lombo”.

5. Qual o seu principal objetivo na internet?

Parece uma pergunta boba, pois “obviamente” o que todo mundo quer é ganhar dinheiro online. Mas não é tão óbvio assim.

Existe uma corrente muito forte hoje de projetos online com rentabilização indireta.

O que seria isso? Essa é a tendência do personal branding, ou seja, uma estratégia de marcação de presença online.

Então a pessoa cria um vlog ou blog e simplesmente não vende nada ali. Porém, no mundo real online aquela pessoa presta serviços, consultorias, palestras, shows e a presença online é determinante para gerar uma multidão de clientes para essa pessoa.

Enfim, aparentemente a presença é desinteressada, sem objetivo financeiro, mas indiretamente isso é alcançado porque aquela pessoa se torna autoridade no assunto que trata.

Então, SOMENTE se você está buscando esse tipo de rentabilização indireta, eu diria hoje para você iniciar um blog ou um vlog.

Em qualquer outro caso, eu buscaria alternativas que não exigissem um compromisso quase diário:

  • Trabalho de afiliado com tráfego pago;
  • Freelance de desenvolvimento web (programação e webdesign), consultorias SEO e marketing digital;
  • Desenvolvimento e venda de aplicativos com assinaturas (o desenvolvimento pode ser terceirizado), etc.

Eu não quero dizer que as pessoas que se dedicam a esses serviços não o façam diariamente. O que eu quero dizer é que esses serviços, na modalidade de prestador de serviços independente (não como agência), permitem que você dê uma pausa de vez em quando e retome quando estiver a fim. Você pode simplesmente dizer que está tocando muitos projetos e que só poderá assumir um novo cliente no próximo mês, por exemplo, tirando, assim, um mês (ou mais) de folga 100% desconectado.

Veja um erro muito comum na definição de estratégia:

Estudo de Caso. Veja se você se enquadra:

Érica quer ganhar dinheiro online com blogs

Ela começa a escrever sobre um determinado assunto de seu interesse, mas, depois de 3 meses postando com frequência, começa a ficar impaciente. Seu público ainda não é tão grande como imaginava e ela está insegura se está desperdiçando seu tempo ou se seu trabalho renderá frutos.

Com isso, ela enche seu blog de propaganda descontextualizada, anúncios aqui e ali. Quanto mais anúncios melhor, pois aumenta a probabilidade de alguém clicar e ela faturar, correto?

Tudo errado.

Então ela descobre como ganhar dinheiro online não é fácil e desiste…

Mas será essa a conclusão correta?

Ou será que, se ela queria dinheiro rápido, não deveria ter buscado algo que rentabilizasse rapidamente, como prestar serviços (freela) ou trabalhar como afiliado a partir de tráfego pago? Talvez ela nunca deveria ter começado um blog se o objetivo era de curto prazo.

6. Lição extra: Internet é a terra do ROI estratosférico

Se tem um lugar em que não se pode falar (ainda) em “retorno de mercado” esse lugar é a internet.

via GIPHY

Retorno de mercado significa, no mercado financeiro, aquele retorno médio que investidores têm e que, em geral, não vai ali muito além de uma aplicação boa de renda fixa.

Na internet você pode ter retornos sobre o investimento de 1000% em um mês, 10000% em um ano, números absurdos assim. Mas é claro que você tem que computar, no mínimo, o gasto com o seu tempo.

Quais os tipos de gastos mais comuns que se tem na internet, além da compra de domínio que já citei acima? Exemplos:

  • Hospedagem: Servidor online. Para hospedar sites eu só uso Hostgator (só tive problemas com as outras 5 empresas). App eu tenho usado Amazon AWS.
  • Custos de desenvolvimento: Veja, os 3 sites que criei necessitam de um conhecimento básico de HTML, CSS e Javascript. Se isso tudo é uma sopa de letrinhas para você, não tem problema nenhum, mas você terá que tirar o escorpião do bolso e contratar algum desenvolvedor no 99Freelas ou no Workana.
  • Custos com propaganda: Facebook Ads e Google Adwords. Ao contrário dos outros custos, esses são variáveis e você investe o quanto quiser.

No teste que realizei, eu mesmo desenvolvi os sites, mas considerando que você precisaria de um programador (sem nenhuma capacidade especial) para replicar os mencionados sites e considerando o custo no Workana por hora (R$ 30,00) para o nível exigido, eu estimo que você gastaria na faixa de uns R$ 500,00 para cada site que criei aqui.

Enfim, em tempos de freelancers everywhere você só precisa de uma ideia boa e ter confiança nela o suficiente para empregar alguns trocados.

E agora, o que fazer?

Como você viu, esse experimento alcançou maturidade para gerar uma rentabilização consistente. Porém, tanto para você quanto para mim, o tamanho desse potencial ainda permanece uma incógnita.

Até mesmo a técnica de monetização está ainda aberta e sujeita a modificações.

Mas a grande novidade é que esse artigo sobre ganhar dinheiro online simplesmente não acaba aqui, ele continua sempre aberto em nossa discussão lá no fórum gratuito de debates.

Lá você poderá acompanhar, dia após dia, o resultado que esses sites estão gerando, quais estratégias estamos testando (e seus resultados) e poderá buscar meios de reproduzir resultados semelhantes em seu próprio negócio.

Você vem conosco? Acesse e participe.

Mais sobre os assuntos: ,

author-photo
Eduardinho é Auditor da Receita Federal e educador na área de Finanças Pessoais. Criador do método Carteira Rica de enriquecimento, o autor compartilha suas dicas neste blog e vai ajudar você a transformar o modo como lidar com seus investimentos.