custo de oportunidade

Custo de Oportunidade: Aprenda bem além do conceito!


O que as bolhas acima têm a ver com custo de oportunidade? Leia o artigo até o final e você entenderá.

Chances são de que você seja um estudante em busca puramente do conceito, de exemplos e de como calcular o custo de oportunidade, para seu trabalho da universidade. Calma, apresentaremos tudo isso.

Mas além de estudante ou profissional, você é uma pessoa e, nesse sentido, passa por problemas como:

  • má administração e falta de tempo,
  • hábitos improdutivos,
  • dificuldade de poupar,
  • angústia perante decisões difíceis (inclusive na escolha de investimentos).

Nesse artigo, abordaremos o sentido técnico de custo de oportunidade (o que é custo de oportunidade do ponto de vista de economia/finanças), mas também daremos um sentido prático a toda essa teoria, relacionando o conceito com as bolhas e os problemas de seu cotidiano.

Na verdade, em nenhum momento de nossas vidas somos preparados, inclusive psicologicamente, para realizarmos grandes escolhas. Quando terminamos o Ensino Médio, somos “atirados” a uma escolha de profissão no ingresso da faculdade, sem termos qualquer preparação. O custo de oportunidade é uma maneira de mensurar financeiramente o “custo” de uma determinada escolha.

Quanto às escolhas que fazemos para nossas vidas, elas possuem outros custos, nem sempre mensuráveis. Elas podem custar nosso tempo de vida, nossa saúde, nossa felicidade.

Para tentarmos realizar melhores escolhas nessas outras áreas de nossa vida e buscarmos essa realização plena, lançamos esse nosso outro projeto, totalmente sem fins lucrativos, chamado Mais Tempo Livre. Dê uma passadinha lá no outro site e se cadastre para acompanhar o andamento do projeto.

Temos certeza que você está entre os 99% da população para quem o projeto Mais Tempo Livre faz total sentido: se você quer trabalhar com aquilo que realmente ama, poucas horas por mês e ter a oportunidade incrível de expressar sua personalidade no tempo que sobra (sendo músico, escrevendo, fazendo arte, praticando esportes, ou mesmo passando mais tempo com sua família), o Mais Tempo Livre é um projeto feito para você.

Você está diante de uma escolha e o custo de oportunidade é baixíssimo: você pode clicar nesse link, conhecer e se cadastrar para acompanhar o Mais Tempo Livre, um projeto genuinamente sem fins lucrativos e ter a oportunidade de traçar uma vida totalmente diferente do convencional para você (diferente para melhor!), ou você pode ignorar essa oportunidade e continuar sua vida convencional, em conformidade com as regras, e havendo 99% de chances de ter um trabalho que não lhe satisfaz, em alguma das esferas da personalidade.

Analisemos os custos: Se você clicar, perderá alguns segundos lendo sobre o assunto. Se não clicar, perde uma imensa oportunidade. A escolha é sua, o link está acima.

Então tratemos agora, tecnicamente, do custo de oportunidade.

O que é Custo de Oportunidade?

A definição de custo de oportunidade está diretamente relacionado ao conceito de escassez em economia. Em termos de microeconomia, ele se refere à estimativa do maior benefício razoavelmente seguro que se deixa de obter após uma decisão de alocação dos recursos disponíveis.

Um exemplo está no custo de oportunidade do capital empregado no ativo imobilizado. Tome a compra de uma determinada máquina. Se a capacidade efetivamente utilizada dessa máquina for inferior à estimada (suponhamos que ela fique ociosa metade do dia, por falta de demanda), a decisão de comprá-la haverá sido ineficiente, pois os juros pagos no financiamento * aqui o custo de oportunidade! * podem ser maiores que ao valor adicionado pelo equipamento (o aumento gerado no faturamento deduzido de custos fixos e variáveis, despesas com manutenção do equipamento, etc.).

Ou, caso não tenha havido financiamento, os juros pagos pela aplicação financeira da qual se retirou o dinheiro (como uma LCICDB, fundos de investimento ou títulos públicos) representam o custo de oportunidade (em outras palavras, o benefício renunciado) para o caso em questão.

Em suma: custo de oportunidade é um benefício renunciado com uma escolha.
Índices financeiros mais seguros e usadas normalmente como base de cálculo para o custo de oportunidade são a taxa Selic e o CDI, que estavam, respectivamente, em 7,00% e 6,89% em 17/12/2017.

Ainda nessa perspectiva de economia e negócios, outros exemplos reais seriam as decisões entre investimento ou gasto pessoal. Quando se opta por realizar uma viagem de lazer, abre-se mão de investir aquele dinheiro), quando se opta por investir, abre-se mão da viagem.

Custo de oportunidade no nível social

Saindo da perspectiva individual e passando para o social, devemos pensar o custo de oportunidade como a escolha da alocação dos recursos disponíveis.

Se imaginarmos um recurso não-renovável (o granito, o petróleo, por exemplo) e um processo de transformação irreversível (como a queima do petróleo ou a transformação do granito em soleiras), percebe-se que a alocação dos recursos na produção de algum bem ou serviço levará à renúncia de várias outros.

Isso vale para qualquer bem finito. Se tomarmos os terrenos cobertos por mangue ou mata atlântica e decidirmos implantar um porto naquele local, um bem será gerado ao mesmo tempo que algumas renúncias.

Como calcular o custo de oportunidade: há fórmula?

Como você pode ter percebido, a escolha é uma, mas os bens renunciados tendem ao infinito.

Em outras palavras, quando você opta por jogar tênis em um determinado horário (aqui a escassez é dada pelo tempo), automaticamente você renunciou a um período equivalente praticando outro esporte, ou lendo um livro, ou assistindo televisão, ou passeando com seus filhos, ou mesmo dormindo.

Assim, mesmo em uma empresa, não há uma fórmula do custo de oportunidade. Cálculo deve ser estimaado caso a caso e nos exemplos acima já deixamos claro algumas formas de estimá-lo:

  • Se houve financiamento na transação, o custo de oportunidade é dado pelos juros que são pagos;
  • Se o financiamento for alto e restringir o seu limite de crédito para outras operações, essa limitação deve ser levada em conta;
  • Se o recurso é próprio, esse dinheiro poderia estar investido sem risco? Se sim, quais as aplicações que costumo fazer (pessoa ou a empresa).
  • Qual o ROA (return on assets – retorno sobre ativo) da empresa? Se a perspectiva de retorno com a aquisição de determinado ativo (nesse caso, independe se imobilizado ou investimento) for inferior à média da empresa, pode-se estar diante de uma decisão que não seja a mais eficiente (por exemplo, em vez de adquirir outra empresa, esse dinheiro poderia ser usado para expandir a capacidade própria).

Custo de oportunidade cálculo ou estimativa?

Então, com quais indicadores posso comparar o retorno de um investimento?

Investimento passado: Compare com o DI ou Selic acumulados no período.

Investimento futuro: Compare com a expectativa do mercado DI ou Selic acumulada no período.

MêsDI esperado
Janeiro/18
Janeiro/19
Janeiro/20
Janeiro/21
Janeiro/22
Atualizado17/12/2017

E as bolhas?

Repare nas bolhas abaixo e imagine que você possa pegar uma de cada vez. Perceba que, ao escolher uma, as demais irão desaparecer. Essas outras são o custo de oportunidade da bolha (decisão) que você elegeu.

Nesse excepcional artigo do Mark Manson, indicado por nosso amigo Diego (e por isso nosso blog é tão extraordinário, porque nossos leitores são fantásticos!) ele resume muito bem essa questão do custo de oportunidade em nossas vidas:

Não, você não pode ter tudo. Mark Manson.

O autor critica justamente os programas de televisão que mostram reportagens de homens e mulheres que “têm tudo”: são estrelas na carreira E têm uma vida e família saudáveis E têm hobbies divertidos E têm corpos malhados E acompanham o desenvolvimento dos filhos E cozinham para os amigos nas horas vagas.

A verdade é que é impossível ter tudo! Se você quiser se dedicar ao hobby de andar a cavalo, nesse tempo, necessariamente, você deixará de ler um livro, por exemplo. E como as alternativas para alocarmos nosso tempo são hoje, infinitamente maiores que antigamente, simplesmente nos sentimos paralisados e não conseguimos tomar uma decisão final sobre uma determinada alocação (de tempo, de dinheiro, etc.).

Quanto menos opções, mais fácil a vida. Essa infinidade de opções está levando várias pessoas a terem FOMO (“medo de perder uma chance”). As pessoas ficam o tempo todo se culpando por não terem escolhido isso ou aquilo (em outras palavras, a pessoa fica estupefata diante da necessidade de escolher e, portanto, abrir mão de outras coisas).

Ao ser taxativo, e dizer que você não pode tudo, reconhecendo a existência do custo de oportunidade e resignando-se diante do que vier após, a pessoa tem melhores condições de vencer grandes males da modernidade, como essa angústia diante das decisões.

Além disso, também entendendo o custo de oportunidade e o quão escasso é o nosso tempo nessa vida, você verá que ter hábitos improdutivos (como vasculhar a vida alheia nas mídias sociais) tomam um tempo que poderia ser usado com hábitos mais saudáveis (na pior das hipóteses, em um aeroporto ou na ante-sala de um consultório, você poderia estudar outra língua ou fazer alguns exercícios para o cérebro, aprimorando sua inteligência fluída).

Não deixe de ler o artigo do Mark Manson e, não se esqueça de resignar-se diante daquilo que a vida lhe mandar, mas de, ao mesmo tempo, não perder tempo com hábitos que sejam totalmente destrutivos.

E você, concorda com o Mark, ou não? Deixe seu enriquecedor comentário abaixo e cadastre-se em nossa lista para receber em primeira mão nossos artigos!

Mais sobre os assuntos:

author-photo

Eduardinho é Auditor da Receita Federal e educador na área de Finanças Pessoais. Criador do método Carteira Rica de enriquecimento, o autor compartilha suas dicas neste blog e vai ajudar você a transformar o modo como lidar com seus investimentos.

9 Comentários