planejamento financeiro

5 Etapas para Você Criar um Orçamento Infalível para 2018

Vamos direto ao ponto. Você chega ao final do ano e percebe que sua vida está aquém do que planejou: suas metas não saíram do papel, projetos foram adiados e muitos sonhos de consumo tiveram que ser descartados ou se tornaram dívidas. Enfim, a mesma loucura de sempre! País em crise, mercado retraído, você prometeu a si mesma que investiria algum dinheiro e ainda não fez.

Calma! Calma! Não é hora de desespero, é hora de sentar, respirar fundo e fazer um balanço. Corrigir os erros e recomeçar, repensando a estratégia usada até agora.

Repensar as estratégias faz parte do ritual de fim de ano: Natal chegando, confraternizações, daqui a pouco um ano novo e, voilà, “vida nova”. Momento certo para colocar as finanças em dia e começar a fazer as melhores escolhas daqui para frente. Afinal, todo ano que começa traz a promessa de muitas surpresas.

E se o ano que virá ainda é uma incógnita, temos que reconhecer que o que está findando trouxe inúmeros imprevistos e contratempos na economia e no orçamento de muita gente. Mas, cá para nós, o principal fator que leva ao descontrole no orçamento não são os imprevistos, mas sim, o fato de não considerá-los no planejamento orçamentário.

Há diversas formas de cometer erros na elaboração de um orçamento: contas que esquecemos de incluir, gastos pequenos que deixamos de orçar, não considerar imprevistos. Talvez sem perceber você tenha cometido algum deles em algum momento deste ano, mas neste artigo não vamos falar dos erros, mas sim dos acertos.

Aqui listamos as cinco etapas fundamentais para se criar um orçamento familiar ou pessoal infalível, mesmo com todas as surpresas que 2018 possa trazer. Agora é o momento de colocá-las em prática. Conheça os passos, refaça seus cálculos e prepare-se para alcançar a tranquilidade financeira com que você sempre sonhou.

 

economia natalina
Meme da internet: essa daí economizou com árvore de natal!

 

1ª Etapa do planejamento financeiro para 2018: O óbvio, Gaste menos do que Ganha

É impossível ter um planejamento orçamentário infalível gastando mais do que se ganha. Este é o primeiro mandamento das leis da lógica financeira. Está na tábua que Moisés recebeu no deserto enquanto pagava os pecados por ter contraído uma porção de dívidas.

Se você não consegue segui-lo, jamais alcançará o maravilhoso reino das finanças encantadas e continuará na mesma bagunça de sempre. Então, se você se encontra nessa situação e quer salvação, nosso conselho é:

Organização

Reúna em uma planilha, ou num caderno mesmo, todas as suas receitas mensais (salário, renda extra, ganhos com aluguel de imóveis, dinheiro da mãe) e também todas as suas despesas, incluindo as fixas (escola, plano de saúde, TV por assinatura, Internet, Netflix) e as variáveis (mercado, baladas, gasolina, cinema, cervejinha, até o pirulito das crianças). É importante que nada fique de fora, mesmo que sejam apenas gastos menores.

Entre as despesas variáveis, faça uma média de quanto costuma gastar com cada item, mensalmente. Isso ajuda a planejar o mês seguinte.

Adequação

Separando as despesas fixas das variáveis, é possível identificar onde há a possibilidade de cortar gastos. Se sua meta é simplesmente equilibrar o orçamento, então talvez você encontre formas de fazer apenas diminuindo alguns gastos variáveis.

Mas se sua meta é mais ousada e você precisa liquidar dívidas, quer poupar para uma reserva financeira ou quer realmente começar a investir no próximo ano e ganhar de uma vez por todas o maravilhoso reino das finanças encantadas (e nós recomendamos isso!), então talvez tenha que cortar um pouco mais e mexer em alguns gastos fixos.

Mudanças

Outra forma de reorganizar o orçamento é transformar algumas despesas variáveis inevitáveis em fixas.

Peraí, isso não aumentar os gastos”?

A resposta é “Depende da situação e da perspectiva”.
Por exemplo, um plano de telefone pós-pago que pode migrar para um pré-pago de valor mais baixo, obrigando a delimitar os gastos de telefone móvel. Em vez de uma despesa variável, que pode ou não trazer surpresas desagradáveis no final do mês, você teria uma despesa fixa, bem definida e enquadrada no seu plano mensal.
Veja um exemplo de orçamento mensal simplificado na tabela abaixo:

Receita (renda) R$

Despesas fixas R$

Despesas variáveis R$

  4.000,00

 2.070,00

– 1.750,00

___________

(Receita menos o total das despesas fixas e variáveis)

180,00

Salário 4.000,00

Aluguel

600,00

Conta de luz

120,00

Escola

550,00

Conta de água

70,00

Financiamento do carro

420,00

Mercado

300,00

TV a cabo

200,00

Faxineira

280,00

Plano de Saúde

300,00

Farmácia

250,00

Lazer

400,00

Cabeleireiro

180,00

Gasolina

150,00

TOTAL

2.070,00

TOTAL

1.750,00

Embora esse orçamento tenha um saldo positivo de R$ 180,00, ele falha por não contemplar uma reserva de emergência dentro das despesas fixas. O ideal é que fosse destinado 15% para essa função, nesse caso, R$ 600,00. Valor suficiente para cobrir despesas eventuais, alguns imprevistos e fazer planos. Mas para isso, seria necessário fazer mudanças dentro da tabela e enxugar despesas. Veja mais sobre reserva de emergência na etapa 4.

 

planejamento financeiro em família

2ª Etapa: O indispensável, inclua a família no esquema.

Nenhum orçamento funciona se você não considerar sua família nas decisões. É preciso englobar todos os envolvidos diretamente em suas finanças e não somente listar as suas prioridades, ou ninguém irá segui-la no planejado.

Todos precisam entender a importância desse planejamento e como após algum tempo ele lhes dará a liberdade financeira que tanto almejam (e qual a relevância disso). Explique aos demais envolvidos que no início talvez haja a necessidade de enxugar as contas e fazer alguns sacrifícios, mas que no futuro essas medidas serão benéficas e possibilitarão realizar novos planos e sonhos de consumo.

No entanto, se você é do tipo que esconde as finanças de sua família e não consegue dizer não para aquela comprinha no cartão de crédito, ou para o tênis de marca de seu filhinho, eu lamento dizer, minha amiga, mas você está enrascada. Fica a dica, melhor abrir o jogo agora, ou “ano que vem do ano que vem” será ainda pior.

 

3ª Etapa do Orçamento tudo-de-bom: O necessário, seja realista.

O dinheiro é maravilhoso. Permite realizar desejos, viver experiências. É tudo de bom! Ah, e o cartão de crédito, que bênção! Todas as nossas vontades sempre à mão. Porém, vamos ponderar: As possibilidades de consumo que o dinheiro traz enlouquecem muita gente, que simplesmente esquece que esses benefícios têm um limite, o de cada orçamento.

Pior ainda que “viajar” nos caprichos das possibilidades, é “viajar” nos caprichos das possibilidades no momento sério da elaboração do orçamento familiar.

Trabalhe com prioridades no orçamento

Quando for elaborar o planejamento financeiro, seja realista, honesta com o que pode gastar (mesmo que isso te deixe um pouco triste no início, sem aquele par de sapatos novos). Se seus gastos ainda são maiores que seus ganhos, não há remédio a não ser cortar despesas (ou aumentar receita).

Controle total

Parece radical, mas um controle total é crucial para pôr seu orçamento em dia.

Como a família toda deve estar envolvida, (ainda não? Então volte lá na etapa dois e leia novamente) é necessário conversar e reavaliar algumas despesas camufladas de “necessidades”.

Artigos como roupas, calçados, produtos de beleza (que você chama de higiene), gastos com restaurantes e baladas são exemplos de despesas que podem ser reavaliadas e/ou cortadas num primeiro momento. E olha que isso faz a diferença! Lembre-se, quando tudo estiver em dia novamente, elas poderão voltar à planilha.

Faça projeções

Quando elaborar o orçamento mensal, tendo bem delimitadas as receitas e despesas, não deixe de planejar o orçamento do mês seguinte, fazendo as projeções de gastos. Inclua sempre as despesas fixas e faça uma projeção um pouco maior para as variáveis. Assim, você conseguirá trabalhar com uma margem de segurança e se gastar menos, terá economizado dinheiro.

O ideal é que seu orçamento seja elaborado de forma a incluir o ano inteiro, ou no mínimo, um semestre. Lembre-se de considerar gastos maiores para os meses de férias e períodos festivos, como o Natal, por exemplo.

Não financie

Como o país tem uma das maiores taxas de juros do mundo, financiar o consumo não é uma decisão sábia para quem está tentando colocar o orçamento nos eixos. Espere um pouco mais, comece a controlar as contas e, se possível, junte o necessário para comprar o item desejado à vista, ou se for completamente inevitável, no mínimo possível de prestações. Avalie cada situação particularmente.

 

reserva de emergência

4ª Etapa do planejamento pessoal: O inevitável, Reserva financeira

A formação de uma reserva de emergência é um dos primeiros passos de qualquer planejamento financeiro.

Ela é a garantia de que não faltará o dinheiro necessário para suprir as despesas em situação de imprevisto, ou em casos mais graves como a perda de emprego. Não há como fazer um orçamento que funcione sem considerar esse tópico. A reserva deve fazer parte do orçamento, se possível como despesa fixa.

É muuuito importante!

Dívidas

Supondo que você não tenha conseguido liquidar as dívidas pendentes deste ano, uma dica importante é, antes de fazer a reserva, faça um planejamento para liquidá-las. Talvez haja a necessidade de cortar despesas, o que no final vai valer a pena. Pague sempre as dívidas com os juros mais altos primeiro. Embora a tarefa seja chata, nunca deixe de tentar uma renegociação com seus credores (banco, loja, tio). E por favor, não faça novas dívidas.

Poupança

Tudo bem, pode se sentir mais leve, você acabou de quitar o que deve. Ótimo! Mas espere, não vá achando que aquele dinheiro que não vai mais para o banco ou para a loja de departamento está livre para voar. Agora é a hora de economizar de fato, lembra? O objetivo é a reserva.

Pois é, comece com pequenas metas em cada mês e vá aumentando. Estipule o quanto será guardado em porcentagem. Talvez, no início seja difícil estipular um valor alto, mas com persistência e disciplina você consegue chegar ao valor ideal.

O valor ideal

Não existe um consenso de quanto seria a quantia ideal para uma reserva financeira, mas acreditamos que quanto maior, melhor ela fica. Na verdade, a reserva depende do perfil de cada pessoa ou família. Você deve projetá-la de acordo com seus rendimentos ou salário mensal. É claro que você não vai se assemelhar ao “Nonô Correia” (personagem que acumulou uma fortuna ao longo dos anos, mas mantinha um cadeado na geladeira).

É preciso saber gerenciar o dinheiro para se viver bem e conseguir poupar ao mesmo tempo. Ponha uma meta de destinar 15% de seus rendimentos. Quando chegar a acumular de três a seis salários mensais, você saberá que já tem uma reserva.

 

5ª Etapa o orçamento top: O subestimável, Metas

Enfim, você conseguiu! Dívidas liquidadas, orçamento em dia, uma pequena reserva se formando. Você é a Mulher Maravilha. Só que não.

É claro que se você seguir os conselhos até este ponto, sua vida financeira estará bem mais saudável e seu novo ano será bem melhor. Mas há um detalhe que muitas subestimam, a criação de metas.

É aqui que você ganha pelo seu esforço de equilíbrio, disciplina e persistência. É a hora de pensar o que você deseja fazer com seu dinheiro, quais são suas verdadeiras metas. É preciso considerar objetivos de curto, médio e longo prazo: trocar de carro, fazer uma viagem, guardar para a faculdade dos filhos, investimentos, aposentadoria. A família deve ser incluída nessa etapa também.

As metas têm o poder de criar motivação e foco, armas potentes para melhorar cada vez mais qualquer orçamento. Entenda bem, você não vai extinguir suas reservas para alcançar suas metas, você vai ampliá-las. Criar motivação extra para trabalhar com o dinheiro, que arduamente você conseguiu fazer sobrar a cada mês. Por isso, seus objetivos devem ser bem delimitados.

Investimentos

Aprender a investir é um ótimo aliado nessa etapa. Provavelmente, você criou sua reserva guardando seu dinheiro na poupança até agora, mas há outras formas de investimentos mais rentáveis e tão seguras que podem ajudar a multiplicar seu patrimônio. Aprenda sobre elas, invista em conhecimento. Superdica: inscreva-se em nossa lista de emails abaixo para receber dicas de investimentos e específicas de finanças femininas.

Satisfação

Quando se tem o orçamento sobre controle e as metas bem definidas, o melhor que se pode fazer é ficar feliz.

Ver seu patrimônio financeiro aumentar mês a mês dá a sensação de segurança e de satisfação inestimáveis, diminui o estresse, melhora a saúde, a autoestima e possibilita criar novos sonhos (que devem ser bem amarrados como metas, não se esqueça).

Essa é a base da pirâmide. É como se começa a ficar rico. Adeque essas dicas à sua realidade, experimente a mudança. É claro que você não vai se tornar milionária, seguindo somente essas etapas, mas o dinheiro economizado bem empregado será um diferencial na sua qualidade de vida e, com o tempo, em seu padrão econômico também.

É isso, não perca tempo! Faça o seu balanço, corrija os erros, siga as etapas e, com certeza, no Natal do próximo ano, sua leitura predileta não será sobre orçamento infalível, mas sim sobre onde investir o dinheiro que terá poupado.

Que venha 2018!

Mais sobre os assuntos: ,

author-photo
Elis é jornalista aficionada por finanças pessoais. Segue firme na trilha para a liberdade financeira.